2 de março, 2013

Linhas desenvolvidas com seriedade através de um rigoroso controle de qualidade.

A Tríplice Cor é uma empresa 100% nacional, especializada no desenvolvimento de dispersões pigmentárias e comercialização de corantes e pigmentos. Conciliamos as demandas dos clientes com as mais novas pesquisas, recursos e tecnologias disponíveis no mercado.

O processo de fabricação da Tríplice Cor foi desenvolvido para tornar as linhas de alta qualidade disponíveis a todos os segmentos/mercados consumidores. Esse desempenho diário é resultado de instalações e equipamento de tecnologia de ponta, processos de produção integrados, funcionários bem treinados e um rigoroso sistema de controle de qualidade.

Atuando no mercado de tintas e vernizes, tintas gráficas, têxtil, plásticos e mercados especiais, a Tríplice Cor mantém a garantia de qualidade, fornecendo aos clientes declarações de isenção de substâncias tóxicas, afirmando que as nossas linhas não agridem a saúde humana e animal.

Ligue para nós e agende uma apresentação técnica.

Tel: 11 5641-0033 / Email: vendas@triplicecor.com.br

10 de setembro, 2012

Caros Amigos Usuários,

Após muitos pedidos dos nossos queridos usuários, publicamos este post/artigo sobre mercados de aplicação. Aproveite para elucidar todas as suas dúvidas.

Este artigo identifica e reúne os critérios adotados, ao longo do tempo, quanto à aplicação dos nossos pigmentos, corantes e dispersões em diversos setores.

Todos os nossos produtos atendem a uma infinidade de aplicações e segmentos, principalmente aos mais exigentes.

Atualmente, a Tríplice Cor atende o mercado de tintas e vernizes – base água e/ou solvente (tintas imobiliárias, tintas industriais, tintas automotivas e tintas em pó), assim como o mercado de plásticos, tintas gráficas e alguns mercados especiais, como por exemplo: domissanitários, escolar, TNT, entre outros.

Nossos produtos são altamente considerados pelos nosso clientes. Lidamos com os processos de custos de forma consciente, pois almejamos otimizar os nossos gastos qualitativamente/quantitativamente para facilitar ainda mais a comercialização dos nossos pigmentos, corantes e dispersões no mercado nacional e internacional.

Com produção 100% nacional a Tríplice Cor se diferencia da sua concorrência por desenvolver seu próprio método de pesquisa e análise, onde criamos e trabalhamos nossas idéias para levar até você um material de alta qualidade.

Maiores dúvidas, entre em contato conosco e solicite a visita de um representante comercial.

Atendimento:
Tel: 11 5641-0033
Email: vendas@triplicecor.com.br

Obs: Constituimos um usuário padrão com endereço de email fixo (site@triplicecor.com.br) com intuito de receber sugestões para o novo site e também para melhorar seu conteúdo editorial. Por favor, se você tiver alguma sugestão sobre algum conteúdo (site, twitter, youtube, facebook, slideshare, folder, etc), fale conosco. Será um enorme prazer conhecer um pouco mais sobre a sua necessidade.

8 de fevereiro, 2012

 

Investimento, investimento e investimento.

A receita de sucesso da Tríplice Cor não é segredo para ninguém. São basicamente esses três fatores que fazem da Tríplice Cor uma das fabricas de dispersões pigmentárias, corantes e pigmentos que mais cresce no Mercosul: Sólidos investimentos em tecnologia, qualidade e pessoas.

A Tríplice Cor é sinônimo de excelência em estrutura física, qualidade e desenvolvimento de produtos, importações e equipe de profissionais.

Ligue para nós e agende uma apresentação técnica.

Tel: 11 5641-0033 / Email: vendas@triplicecor.com.br

12 de dezembro, 2011

Atualize seus dados para receber informações exclusivas ao seu nicho de mercado.




Queridos Leitores,

Estamos fazendo melhorias em nossa newsletter para que em 2012 você possa receber informações exclusivas para o nicho de mercado da sua empresa/fábrica.

Por favor, assim que possível, atualize os seus dados acessando o hotsite de cadastros da Tríplice Cor e preenchendo os campos solicitados (www.triplicecor.com.br/cadastrar).

A assinatura é gratuita e tem em sua normalidade um envio por mês.

Podem ficar despreocupados quanto ao sigilo dos seus contatos; as informações fornecidas são para uso único e exclusivo do Tríplice Cor.

Não fique de fora! Seu cadastro nos ajuda e é muito importante para a nossa comunicação.

Abraços, Patrícia Chagas (Marketing – Tríplice Cor)



6 de dezembro, 2011

Para aqueles que trilharam o caminho do sucesso junto conosco, fazendo parte do nosso dia a dia, desejamos um Feliz Natal e um Próspero 2012, com muita paz, saúde e conquistas.

Agradecemos à todos pelo respeito, dedicação e confiança depositada em nosso trabalho.

Esperamos que estes valores continuem cada dia mais presentes neste ano que se aproxima para que os bons frutos sejam compartilhados mutuamente.

São os votos da Equipe Tríplice Cor.

14 de outubro, 2011

7 de outubro, 2011

Sucesso no 3º Fórum Paint & Pintura de Tecnologia e Gestão em Tintas

O 3º Fórum, promovido pela Revista Paint & Pintura, aconteceu no Rio de Janeiro e teve o intuito de promover o conhecimento e a disseminação das mais recentes tecnologias e inovações em tintas imobiliárias, automotivas e industriais; reunindo os principais representantes do setor de tintas da região sudeste, onde tiveram a oportunidade de interagir, trocar experiências e aprofundar o conhecimento.

Wagner Cruz, gerente técnico da Tríplice Cor, surpreendeu os participantes com todo o conhecimento transmitido em sua palestra, cujo tema foi: “Pigmentos Orgânicos e suas Dispersões”.

A palestra da Tríplice Cor apresentou de forma simples, como se dá a fabricação de pigmentos e suas dispersões, abordando assuntos capazes de esclarecer ao fabricante de tinta quais os pigmentos corretos que devem ser utilizados em suas formulações, levando em consideração as propriedades de solidez à luz, intempéries, temperatura e os possíveis problemas de migração.

15 de setembro, 2011

Setor do plástico identifica oportunidades no pré-sal.

A atividade de exploração e produção do petróleo na camada pré-sal abre oportunidades para os fabricantes de peças de plástico, que têm condições de fornecer para várias etapas da cadeia petrolífera.

Com essa constatação, a Associação Brasileira da Indústria do Plástico desenvolve trabalho de mapeamento, em parceria com outras entidades, para levantar os componentes e produtos adquiridos pela Petrobras e também para saber quais as empresas do setor interessadas em atender o mercado de óleo e gás.

Segundo o presidente da Abiplast, José Ricardo Roriz, as perspectivas são muito favoráveis, entre outros fatores, porque o plástico não sofre corrosão e pode servir como revestimento de tubos e como componentes de equipamentos, na exploração e produção em águas profundas.
Além disso, os valores envolvidos são significativos. A estatal anunciou que investirá até 2015 US$ 224,7 bilhões (cerca de R$ 384 bilhões, pela cotação do dólar a R$ 1,71). Desse total, US$ 117,7 bilhões serão aportes em exploração e produção, sendo que cerca da metade, US$ 53,4 bilhões, será para o pré-sal.

O setor pode se beneficiar não apenas com o fornecimento de itens para a cadeia petrolífera, mas também com o aproveitamento da matéria-prima em abundância (o plástico é derivado do petróleo) para o aumento da fabricação de peças e embalagens. “Com isso, o País agregaria valor ao petróleo e poderia alavancar as exportações de plástico transformado”, afirma Roriz, que participa no dia 26 de debate sobre o tema, dentro da conferência ‘Indústria Química em 2020, um novo rumo é possível’, promovida pelo Sindicato dos Químicos do ABC em Santo André.

CENÁRIO – O setor, que reúne cerca de 1.700 empresas – na região, estima-se que são cerca de 500 empresas – e é umas das maiores indústrias empregadoras do País, com 380 mil empregos diretos, vai crescer entre 2% e 4% em vendas em 2011, estima Roriz. “No início do ano, projetávamos 6% a 7%, mas estamos agora com projeção mais modesta”, afirma.

Para ele, além da crise na Europa, outro fator que atrapalha o setor é a invasão de importados, que “capturam” parcela do mercado nacional antes ocupada pelos itens nacionais, diz o dirigente.

Por sua vez, a ligeira desvalorização cambial (a moeda norte-americana subiu nesta semana para o patamar de R$ 1,70) não é considerada suficiente para mudar esse cenário. “O real ainda está muito valorizado”, avalia o presidente da Abiplast.

Fonte: Abiplast e Diário do Grande ABC

6 de maio, 2011

Após um breve intervalo, voltamos com a nossa série “Especial Plásticos”.  E hoje, o nosso foco será voltado para o “famoso” PVC.

Boa Leitura!

O PVC (policloreto de vinila), um pó muito fino, de cor branca, e totalmente inerte, não é um plástico como os outros, é o único que não é 100% originário do petróleo. A principal matéria-prima do PVC é o sal marinho, um recurso natural renovável.

O PVC contém, em peso, 57% de cloro (derivado do cloreto de sódio – sal de cozinha), sendo os 43% restantes obtidos a partir petróleo, utilizado na forma de eteno. Devido a essa baixa dependência do petróleo, o PVC consome apenas 0,3% do petróleo extraído no mundo, índice bem pequeno levando-se em consideração que é um dos três plásticos mais utilizados.

Deve-se destacar que o Brasil possui tecnologia pra sua obtenção a partir do álcool da cana-de-açúcar, tornando-se também um recurso renovável e, por conseguinte, inesgotável.

Essas constatações, por si só, já credenciam o PVC como um plástico que atende a um dos requisitos básicos do Desenvolvimento Sustentável. PVC, um plástico 100% reciclável.

O Policloreto de Vinila (PVC) é um dos plásticos mais versáteis, e devido a esta característica este é um dos materiais mais estudados e utilizados da atualidade.

Os dois principais processos de obtenção do PVC são a polimerização em suspensão e a polimerização em emulsão.

As diferenças entre os processos de suspensão e emulsão se manifestam no tamanho e nas características dos grãos de PVC obtidos, sendo utilizados segundo as aplicações e os resultados que se desejam obter.

A grande versatilidade do PVC atribui-se principalmente à necessidade e à capacidade de incorporação de aditivos antes de sua transformação no produto final. O grande teor de cloro presente na estrutura molecular do PVC lhe confere alta polaridade, o que aumenta sua afinidade e permite sua mistura com uma grande gama de aditivos. Através da escolha e da dosagem adequadas dos componentes da formulação, podem-se obter materiais poliméricos feitos sob medida para aplicações específicas. Dessa maneira, o PVC pode ter suas características alteradas dentro de um amplo espectro de propriedades.

Dentre os principais aditivos que podem ser incorporados ao PVC, destacam-se: plastificantes (dão ao PVC flexibilidade), estabilizantes (protegem o PVC contra a degradação do calor e da luz), antiestáticos, lubrificantes (os internos reduzem a viscosidade do PVC fundido. Os externos impedem a aderência e retardam a solidificação), pigmentos (dão ao PVC a coloração desejada, a opacidade e a proteção contra os raios ultra violeta), espumantes, cargas (melhoram as propriedades mecânicas e reduzem o custo) e modificadores de impacto, obtendo peças com várias durezas (desde produtos rígidos como tubos e conexões até produtos flexíveis como sandálias e mangueiras de jardim); peças translúcidas, cristalinas ou opacas; peças brilhantes ou foscas; peças compactas (sólidas) ou espumadas (expandidas); superfícies com texturas diferenciadas e peças com diversas cores (aspecto perolizado, alumínio, metálico etc.).

Características do PVC:
- Leve (1,4g/cm3), o que facilita seu manuseio e aplicação;
-Resistente à ação de fungos, bactérias, insetos e roedores;
- Resistente à maioria dos reagentes químicos;
- Bom isolante térmico, elétrico e acústico;
- Sólido e resistente a choques;
- Impermeável a gases e líquidos;
- Resistente às intempéries (sol, chuva, vento e maresia);
- Durável: sua vida útil em construções é superior a 50 anos;
- Não propaga chamas: é auto-extinguível;
- Versátil e ambientalmente correto;
- Reciclável e reciclado;
- Fabricado com baixo consumo de energia.

As propriedades, características e relação custo/beneficio do PVC, quando combinados, revelam suas potencialidades de aplicação.

Aplicações:
O PVC é largamente utilizado tanto na área médica e alimentícia quanto na construção civil, setor de embalagens, calçados, brinquedos, fios e cabos, revestimentos, indústria automobilística, e muitos outros; onde sua presença tem se mostrado tão necessária quanto indispensável. Isto pelo fato do PVC ser um plástico versátil, resistente, impermeável, durável, inócuo e 100% reciclável; que não se corrói, é isolante térmico e acústico e não propaga fogo, podendo ser produzido em qualquer cor, desde transparente até opaco e de rígido a flexível.

- Produtos médico-hospitalares:
Embalagens para medicamentos, bolsas de sangue, tubos para transfusão e hemodiálise, artigos cirúrgicos, além de pisos de salas onde é indispensável o alto índice de higiene;

- Janelas:
Oferecem excelente resistência às mudanças de clima e à passagem dos anos, mesmo em ambientes corrosivos (por exemplo, beira-mar), em áreas rurais ou urbanas;

- Pisos e revestimentos de paredes:
Peças decorativas, resistentes e facilmente laváveis;

- Brinquedos e artigos infláveis:
Bolas, bóias, colchões e barcos, etc.;

- Artigos escolares:
Facilmente moldados, têm grade variedade de aspectos (cor, brilho, transparência) e baixo custo;

- Embalagens:
Usadas para acondicionar alimentos, protegendo-os contra umidade e bactérias. Estas embalagens são impermeáveis ao oxigênio e ao vapor, dispensando assim, o uso de conservantes, preservando o aroma;

- Tecidos espalmados decorativos e técnicos:
Usados principalmente para móveis, vestuários, malas e bolsas;

- Garrafas para água mineral:
Leves, transparentes ou coloridas;

- Estruturas de computadores:
Assim como peças técnicas destinadas à indústria eletrônica;

- Automóveis:
Aplicado a revestimento de interiores devido à sua facilidade de moldagem e de manutenção;

- Tubos e conexões:
Utilizados na canalização de água (potável ou não) e esgotos, pois são resistentes e facilmente transportados e manipulados graças ao seu baixo peso. No caso da água potável evita contaminações externas e previne perdas por vazamento, devido à fácil e eficiente soldagem entre os tubos e as conexões. Também são muito utilizados em sistemas de irrigação, de redes subterrâneas e de superfícies a tubulações e filtros para poços profundos e minas, além de redes de drenagem agrícolas e de estradas;

- Mangueiras:
São flexíveis, transparentes e coloridas;

- Laminados:
Utilizados para embelezar e melhorar painéis de madeira e metal. Resistem bem ao tempo, aos raios ultravioletas, à corrosão e à abrasão;

- Laminados impermeáveis:
Utilizados em piscinas, túneis e tetos. Também utilizados para a impermeabilização de aterros sanitários, protegendo o solo e lençóis freáticos

- Frascos para acondicionar cosméticos e produtos domésticos:
Por sua impermeabilidade e resistência a produtos químicos e ótima relação custo benefícios na hora da troca de moldes, além de facilitar o design;

- Móveis de jardim:
Têm grande resistência às variações climáticas e são de fácil manutenção.

Pigmentos para PVC:
A Tríplice Cor apresenta uma variedade de Pigmentos que podem ser aplicados na fabricação dos espalmados de PVC , PVC Plastificado, objetos fabricados através de rotomoldagem, assim como em processos onde utiliza-se o PVC-R.

Acesse o nosso site e confira as propriedades das seguintes linhas: Resth Chrom, Resth Plast, Resth Ultramar, Resth Oxido, Resth Fluor, Resth Pearl, Resth Dyes K, Resth Dyes V e Ecodisper.

Vale lembrar que os nossos posts sobre plásticos e pigmentos de utilização estão disponíveis para a apreciação de todos.
Confiram!

Especial Plásticos: PMMA

Pigmentos utilizados para colorir o polietileno (PE)

O que é Plástico Polietileno – PE

Pigmentos para Plásticos

4 de abril, 2011

Pigmentos Fluorescentes

Retomando a tendência dos anos 80, as cores fluorescentes ou flúor, como são chamadas pelos mais íntimos dessa moda, não aparece apenas nos pequenos detalhes; cada dia mais está tomando as ruas e as prateleiras de todos os setores do mercado.

Os tons mais utilizados como laranja, rosa, azul, verde e amarelo estão esgotados em todos os lugares. Alternadas com cores pastéis e com cores menos vibrantes, os fluorescentes chegaram e conquistaram seu espaço na moda.

A Tríplice Cor, visando esta nova tendência, oferece ao mercado a linha ResthFluor H27.

Produto inovador, produzido com a mais alta tecnologia de polimerização por emulsão, onde são obtidas partículas homogêneas e esféricas, com tamanho médio de partícula de 1 µm, o que proporciona cores muito puras, com uma maior fluorescência e um excelente poder tintorial, sendo utilizado nos diversos campos de aplicação base água (tinta, têxtil, látex).

Desenvolvemos e fabricamos dispersões de pigmentos fluorescentes com cores extremamente puras e máxima densidade de cor. A nossa linha Resth Fluor é utilizada para o tingimento de diversos materiais. Tais como: plásticos, látex, TNT e produtos da linha escolar.

Entre em contato conosco. Teremos um enorme prazer em atendê-lo.

Atendimento:
- Telefone: 11 5641-0033
- Email: vendas@triplicecor.com.br
- Twitter: @triplicecor

18 de fevereiro, 2011

Caros amigos e usuários do nosso blog,

Hoje falaremos um pouco sobre a Beleza e Segurança. Assunto que raramente existe sinergia.

O termo domissanitário é utilizado para classificar os saneantes de uso domiciliar, mais conhecidos como produtos de limpeza, são os desinfetantes, detergentes, alvejantes, saponáceos, inseticidas entre outros.

Como em qualquer outro produto consumido as embalagens são parte fundamental de sua comercialização influenciando diretamente na escolha com seus rótulos e cores que atraem e cativam o consumidor. Sem dúvidas, a cor da embalagem compõe com a forma, um dos elementos principais de atração em relação a ele, funcionando como a “roupa a do produto”.

No caso dos domissanitários mais do que estética as cores também tem a função de classificar as categorias de produtos, indicando qual seu nível de toxidade, como no caso dos inseticidas e raticidas que devem conter uma faixa indicativa toxicológica.

Segundo a Divisão Nacional de Vigilância Sanitária de Produtos Saneantes Domissanitários, essa faixa deve ter altura equivalente a 1/10 da altura do rótulo e nunca ser inferior a 1 cm e as cores devem ser:

- Vermelho Vivo para os produtos muito tóxicos que contenham fosfetos metálicos, fluoracetato de sódio (1080) e fluoracetamida (1081);

- Amarelo Intenso para produtos medianamente tóxicos à base de compostos organofosforados, carbamatos e para os raticidas à base de compostos de ação anticoagulante;

- Azul Intenso para os pouco tóxicos como os inseticidas domissanitários à base de compostos organocloratos e para raticidas à base de cila vermelha.

- Verde Intenso para identificar os praticamente não tóxicos, para os inseticidas domissanitários à base de esteres do ácido crisantêmico, nataftaleno e para-diclorobenzeno e também para os raticidas à base de norbormida.

A Tríplice Cor possui linhas para colorir o setor de embalagens como a Resth Print de pigmentos orgânicos, isentos de metais pesados, específicos para o segmento de impressão gráfica, como rótulos e embalagens impressas, levando em consideração seu alto poder de tingimento e transparência, que são fatores extremamente relevantes para esse mercado.

E a linha Resth Plast de pigmentos orgânicos, isentos de metais pesados, que possuem como principal característica elevada solidez a temperatura. Apresenta baixa dureza de grãos e excelente propriedade para os processos de extrusão e injeção de plásticos. Além disso, evita que partículas de pigmentos fiquem visíveis no produto final. Possui boa dispersabilidade, estabilidade e ampla variedade de cores. Assim a Tríplice Cor contribui para embalagens bonitas e seguras.

Entre em contato conosco e solicite a visita de um representante mais próximo da sua região.

Temos certeza que lhe ajudaremos a encontrar o melhor pigmento, corante e dispersão pigmentária para otimizar ainda mais a sua produção. Afinal, esse é o nosso trabalho há 11 anos!

– Você realmente sabe o que são domissanitários?
Domissanitário é um termo utilizado para identificar os saneantes destinados a uso domiciliar. Os saneantes são substâncias ou preparações destinadas à higienização, desinfecção ou desinfestação domiciliar. São exemplos de saneantes os detergentes, alvejantes, amaceante de tecido, ceras, limpa móveis, limpa vidros, polidores de sapatos, removedores, sabões, saponáceos, desinfetantes, produtos para tratamento de água para piscina, água sanitária, inseticidas, raticidas, repelentes, entre outros.

São produtos, que pela sua composição, podem causar acidentes e danos à saúde das pessoas e animais apresentando diversos graus de toxidade.

16 de fevereiro, 2011

Plástico cresce 10% mas o déficit comercial disparta 47%

O setor de transformação de plásticos espera crescer 6% em 2011. Se essa previsão se confirmar, o faturamento das mais de 11 mil empresas registradas nessa atividade no Brasil somará R$ 45,6 bilhões, sobre o resultado de 2010. Apesar dos números vigorosos, a indústria vem enfrentando um problema que se agravou mais ainda em 2010 comparado ao ano anterior, o déficit na balança comercial do setor, que disparou 47,8% na comparação anual. Alcançou o valor mais alto registrado, US$ 1,358 bilhão.

No total, entre janeiro e dezembro do ano passado, o Brasil exportou R$ 1,475 bilhão em produtos plásticos transformados, um crescimento de 24,24% na comparação com 2009. Porém, as importações somaram R$ 2,833 bilhões, alta de 34,55% nesse mesmo período de comparação.

De acordo com o presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), José Ricardo Roriz, esse é o resultado da combinação entre o real valorizado ante o dólar, que reduz a competitividade da indústria brasileira, e do alto preço da matéria-prima nacional, que em comparação ao preço praticado na Ásia, chega a ser até 40% mais elevado. Além disso, aponta ele, a taxa de juros e a carga tributária nacional acabam elevando o custo do produto local ao consumidor.

“O setor vem apresentando uma balança comercial desfavorável há anos, mas esse desempenho foi acentuado nos últimos três anos e culminou com uma alta de mais de 40% em 2010″, afirmou Roriz.

Monopólio
O executivo aponta as condições macroeconômicas como uma das responsáveis por este desempenho setorial e o alto custo das resinas, que são fornecidas basicamente por uma empresa petroquímica no mercado brasileiro, a Braskem.

A preocupação do setor com o custo da matéria-prima levou representantes da entidade a se reunir com um conselheiro do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), no início do ano, para discutir a situação de monopólio que a aquisição da Quattor pela petroquímica que é controlada pela Odebrecht – mas que tem a Petrobras como acionista de relevância – traria ao mercado nacional.

Em seu pleito, a Abiplast requer que o Cade condicione a aprovação da operação à retirada das medidas de defesa comercial pela Braskem, a revogação de cláusulas de exclusividade em contratos de fornecimento entre a Braskem e fornecedores estrangeiros e a proibição da discriminação dos clientes que importam ou decidam importar resinas. A entidade pede ainda a redução da tarifa de importação às resinas termoplásticas, de 14% a 16%%, já que a maioria das empresas, por serem de pequeno porte encontram dificuldades ao tentar o acesso às importações desse produto.

Roriz disse à época que a consolidação da posição da Braskem como único fornecedor local, sem algumas obrigações, poderia gerar efeitos nefastos ao mercado, prejudicando principalmente beneficiários de programas sociais do governo federal e consumidores de baixa renda. Segundo ele, esses são os principais vetores do crescimento projetado.

“Com o aumento da renda das classes C e D, um maior número de pessoas passaram a ter acesso a alimentos processados, que utilizam o plástico transformado em suas embalagens, além de outros produtos industrializados”, disse.

Para ele, o mercado brasileiro ainda tem muito potencial de crescimento. Roriz baseia essa análise no consumo per capital de plástico transformado no Brasil. “Aqui a demanda ainda é muito baixa, o consumo em países desenvolvidos chega a ser seis vezes maior”, afirmou o executivo, que aponta a construção civil e a indústria automobilística como fatores que podem levar a maior expansão setorial.

Fonte:
DCI

20 de dezembro, 2010

Retrospectiva é muito cansativo, vamos combinar. Porém, extremamente interessante para ressaltar os assuntos mais relevantes de cada mercado ou período. É por isso que 90% dos blogs regulares ou profissionais postam sua retrospectiva de artigos nos últimos dias do ano. Sendo assim, não poderíamos ficar de fora! No nosso caso, escolhemos mostrar quais foram os mais lidos dentro do ano de 2010.

Dentre os posts, está o sempre “campeão de audiência” que fala sobre os pigmentos orgânicos isentos de metais pesados, alguns sobre TNT, Balões de festa, Dióxido de Titânio – pigmento branco – e sobre os tipos de cores. Espero que gostem desse “vale a pena ver de novo”!

Esta seleção é baseada na quantidade de vezes que cada artigo foi lido, sendo selecionados aqueles mais visitados e, portanto, os que mais interessaram os leitores do Blog Oficial da Tríplice Cor em 2010.

1º: Pigmentos orgânicos isentos de metais pesados

2º: Balões de festa

3º: O que é TNT – Tecido não tecido

4º: Dióxido de Titânio – Pigmento Branco

5º: Qualidade 5s em nossa produção

6º: Tipos de cores

7º: Camarão enxerga até 120 mil cores

8º: Pigmentos orgânicos

9º: Importância da cor nas embalagens de domissanitários

10º: Tríplice Cor aposta na interatividade em novo site

Então, se você está visitando nosso blog pela primeira vez, aqui vai a dica: visite nosso site, bem como estes artigos e você terá algumas das melhores informações de todo o ano de 2010 facilmente.

Conheça a fábrica em: www.triplicecor.com.br ou nos siga no Twitter: @triplicecor

11 de novembro, 2010

Top Posts do nosso Blog de dispersões, pigmentos e corantes.

Após muitas solicitações por email, twitter – oriundas de diferentes partes do país, resolvemos diferenciar o post desta quinta-feira.

Você tem à sua disposição neste post os 7 principais artigos do nosso blog. Ou seja, os posts mais populares, lidos e comentados, relacionados a Resina Poliéster publicados em nosso blog – Blog da Tríplice Cor.

1º: Pigmentos utilizados para colorir o polietileno (PE)

2º: O que é Plástico Polietileno – PE

3º: O que é TNT – Tecido não tecido

4º: Pigmentos Fluorescentes

5º: Pigmentos Orgânicos

6º: Corantes e Pigmentos

7º: Dióxido de Titânio – Pigmento Branco

Agora que você já teve a oportunidade de dar uma espiadinha… Pode nos dizer se sentiu falta de algum tema do seu interesse???

Qualquer assunto relacionado ao mercado de dispersões, pigmentos, corantes e afins, poderá ser discutido em nosso blog.

Mande a sua sugestão, entre em contato conosco e faça comentários. Seu pedido é uma ordem!

Até mais!

8 de novembro, 2010

Boa tarde caros amigos,

Vocês puderam ver em um dos nossos posts do “Especial Plásticos”  uma apresentação bem legal com a definição do Polietileno (PE) e seus subtipos mais comercializados (PEBD, PEBDL, PEAD e PEMD).

Continuando o nosso assunto… Vamos ao que interessa: Pigmentos para plásticos do tipo polietileno.

O polietileno tem uma cor leitosa translúcida, podendo ser modificada com três procedimentos comuns:

  1. Acrescentar pigmento em pó antes de seu processamento;
  2. Colorir todo o PE antes de seu processamento;
  3. Usar um concentrado de cor (masterbatch), que representa a forma mais econômica e fácil de colorir um polímero.

Tabela de cores da Linha Resth Plast

Se a intenção é  colorir o PE antes do seu processamento, a Tríplice Cor apresenta linhas de pigmentos em pó com as características e propriedades específicas para este produto. Veja abaixo:

Pigmentos Orgânicos
RESTH CHROM – Pigmento orgânico em pó de alta performance, disponibilizado nas seguintes cores: branco, violeta, rosa, verde e azul.


RESTH PLAST – Pigmento orgânico com baixa dureza de grãos; excelente propriedade para os processos de extrusão e injeção de plásticos. Apresenta ampla variedade de cores.



Pigmentos Inorgânicos
RESTH ULTRAMAR – Pigmento inorgânico do tipo ultramarino. Apresenta tonalidade viva e alta transparência.

RESTH OXIDO – Pigmentos a base de óxidos de ferro com excelente poder de cobertura.


Pigmentos de Efeito
RESTH FLUOR - Linha de pigmentos fluorescentes com cores vibrantes que conferem alto poder de brilho.

RESTH PEARL - Pigmentos de efeito perolizado com boas propriedades de resistência química, térmica e mecânica.

Para aqueles que optam por mudar a cor do polietileno através da utilização de masterbatches, informamos que também disponibilizamos pigmentos e corantes específicos para esta aplicação. Para saber um pouco mais, acesse o nosso post sobre pigmentos para masterbatches.

Espero que tenhamos solucionado as dúvidas sobre a coloração de plásticos polietileno.

Para obter maiores informações sobre as cores disponíveis para esta aplicação, acesse: www.triplicecor.com.br ou entre em contato através do e-mail: vendas@triplicecor.com.br

No próximo post do “Especial Plásticos” falaremos sobre o plástico PMMA (acrílico).

Abraços à todos.

5 de novembro, 2010

Queridos leitores,

A partir de hoje vamos começar a nossa série de posts: Especial Plásticos. O primeiro assunto será dividido em dois posts; um dará a definição e o outro terá como foco o assunto que mais nos interessa: Pigmentos.

Para dar o ponta pé inicial à nossa série de posts “Especial Plásticos” abordaremos o PE (polietileno), por ser um dos tipos de plásticos mais comuns, sendo o mais produzido e o mais vendido no mundo atualmente.

Um fator fundamental para o seu elevado consumo é o seu preço bastante reduzido, o que faz com que o PE (polietileno – também conhecido como polieteno) seja considerado como o plástico mais barato.

Essas características devem-se principalmente à grande versatilidade desse material; que é facilmente processado e não-tóxico, podendo ser quase transparente ou translúcido, rígido ou flexível, natural ou pigmentado.

O que é o PE?
Desenvolvido comercialmente em 1940, o polietileno é obtido pela polimerização do monômero gasoso etileno (CH2= CH2) em reator sob determinadas condições de temperatura e pressão. Possui uma das mais simples estruturas de todos os polímeros, podendo ser reproduzido através de vários processos que lhe conferem características próprias de densidade, peso molecular e distribuição de peso molecular; o que explica a sua grande variedade de processos de transformação e de aplicações.

Principais propriedades:
Baixo custo, elevada resistência química, elevada resistência a solventes, baixo coeficiente de atrito, macio e flexível, fácil processamento, excelentes propriedades isolantes, baixa permeabilidade à água, atóxico, inodoro.

Há quatro tipos básicos de polietileno com representatividade comercial:
Polietileno de Baixa Densidade (PEBD)
O PEBD é a versão mais leve e flexível do PE. É um material de boa dureza, elevada resistência química, boas propriedades elétricas, impermeável, facilmente processável, transparente, atóxico e inerte.

O PEBD encontra um bom campo de atuação pelo processo de sopro. É utilizado basicamente em filmes, laminados, recipientes, embalagens, brinquedos, isolamento de fios elétricos, bolsas e sacolas de todo tipo, garrafas térmicas e outros produtos térmicos, frascos, mangueiras para água, utilidades domésticas, ampolas de soro, etc.

Polietileno de Baixa Densidade Linear (PEBDL)
Quando comparado ao PEBD, possui propriedades mecânicas ligeiramente superiores em termos de resistência mecânica. Seu custo de fabricação é menor. Recomenda-se o PEBDL para aplicação em embalagens de alimentos, bolsas de gelo, utensílios domésticos, canos e tubos.

Polietileno de Alta Densidade (PEAD):
É um plástico rígido, resistente à tração, tensão, compressão e com moderada resistência ao impacto. É resistente a altas temperaturas, possui baixa densidade em comparação com metais e outros materiais, é impermeável, inerte (ao conteúdo), apresenta baixa reatividade, é atóxico e possui pouca estabilidade dimensional.

O PEAD é utilizado em bombonas, recipientes, garrafas, frascos, filmes, brinquedos, materiais hospitalares, tubos para distribuição de água e gás, tanques de combustível automotivos, bolsas para supermercados, caixotes para peixes, refrigerantes e cervejas. Também é usado para recobrir lagoas, canais, fossas de neutralização, contra-tanques, tanques de água, lagoas artificiais, etc.

Quando comparado ao PEBD, tem resistência ao stress cracking, maior brilho, maior rigidez e menor permeabilidade a gases para uma mesma densidade.

Polietileno de média densidade (PEMD)
O polietileno de média densidade possui propriedades intermediárias entre o PEAD e o PEBD. O PEMD é um polímero termoplástico parcialmente cristalino, cujo uso tem crescido bastante em aplicações de engenharia, como em tubos plásticos para sistemas de distribuição de água e de gás.

O polietileno é usado para diferentes tipos de produtos finais, e para cada um deles são utilizados processos diferentes. Entre os mais comuns, estão:
- Extrusão: Película, cabos, fios, tubulações.
- Moldagem por injeção: Partes em terceira dimensão com formas complexas
- Injeção e sopro: Garrafas de tamanhos diferentes
- Extrusão e sopro: Bolsas ou tubos de calibre fino
- Extrusão e sopro de corpos ocos: Garrafas de tamanhos diferentes
- Rotomoldagem: Depósitos e formas ocas de grandes dimensões

Agora que sabemos mais sobre este tipo de plástico tão consumido mundialmente, podemos seguir para o nosso próximo post, onde falaremos sobre os pigmentos utilizados para modificar a cor do polietileno.

Já já nos encontraremos novamente.

6 de maio, 2010

Para plásticos coloridos

Em muitos dos posts e dos assuntos relacionados ao blog e ao mercado de tintas nos deparamos com a palavra masterbatch.

O Masterbatch é um composto concentrado formado por plástico, pigmentos, corantes e aditivos, muito utilizado na indústria de transformações plásticas que trabalham com extrusão, sopro, laminação de materiais plásticos e na indústria de resinas para acrescentar cor e equilibrar as concentrações. Não se trata do pigmento, mas o pigmento é um dos elementos que compõe o masterbatch.

O masterbatch é produzido em uma resina veículo junto com os demais componentes para depois serem dispersos nos equipamentos apropriados.

Pela alta compatibilidade com as mais variadas resinas seu uso é muito comum, para que o resultado seja excelente é importante que a resina veículo de fabricação do masterbatch seja compatível com a do produto final.

É importante que o pigmento usado na produção do masterbatch seja de qualidade e resista aos processos enfrentados em sua formação.

A Linha Resth Plast da Tríplice Cor é específica para plásticos, e indicada para essa aplicação, pois, os pigmentos da linha que são orgânicos e inorgânicos, isentos de metais pesados, e possuem elevada solidez à temperatura, apresentam baixa dureza de grãos, característica facilitadora nos processos de extrusão e injeção de plásticos. Possuem boa dispersibilidade que evita que partículas de pigmentos fiquem visíveis no produto e garantem estabilidade, além de possuir uma grande variedade de cores.

Conheça em nosso site, na tabela de cores, as opções disponíveis.